FACEBOOK OficialHospital das Forças ArmadasLista das MissõesMarinhaExércitoForça Aérea
printBanner
Domingo, 26.05.19 | 16h22
Você está aqui: Home » Notícias »
A A A  Imprimir Imprimir
NoticiasHeader
Militares do Exército da Força de Reação Rápida na operação da NATO “Resolute Support Mission”
Militares do Exército da Força de Reação Rápida na operação da NATO “Resolute Support Mission”
header
Receba a nossa newsletter para estar a par de todas as nossas actividades.


Linha de Apoio EMGFA

Patrulha “Zaire” suspende buscas para localizar desaparecidos no naufrágio em S. Tomé e Príncipe


1-05-2019

Ao final de sete dias de intensas operações de busca para localizar os nove desaparecidos depois do naufrágio ocorrido a 25 de abril, perto da ilha do Príncipe, o navio patrulha “Zaire”, da Marinha portuguesa, suspendeu hoje as atividades ainda em curso.

Durante a manhã o Presidente do Governo Regional do Príncipe, Eng.º José Cardoso Cassandra, transmitiu ao comandante do navio patrulha português “Zaire” o profundo agradecimento pelo esforço desenvolvido por Portugal, através da Marinha, em apoiar São Tomé e Príncipe após esta tragédia.

A ondulação forte que se fez sentir durante os últimos dias provocou o embate violento do navio naufragado contra as rochas do ilhéu da Tinhosa Grande, o que provocou o afastamento do navio da sua posição inicial. 

As operações de mergulho para localização da embarcação junto à última posição conhecida (junto à escarpa do ilhéu) mantiveram-se interruptas desde então.

Os mergulhadores da Marinha Portuguesa conseguiram ainda recolher diversas bagagens a boiar e, no fundo, junto à última posição conhecida do navio, foi também detetado um rasto de destroços, a 15 metros de profundidade, o que obrigou à extensão das buscas no fundo.

Releva-se que toda a zona com profundidade passível para efetuar operações de mergulho sem ultrapassar os limites de segurança, até 40 metros, foi vistoriada, o que só foi possível devido à excelente visibilidade subaquática. 

Em complemento foi efetuada uma vistoria posterior com mergulhadores na água em todo o redor dos dois ilhéus da Tinhosa, que compreende um enorme azul profundo na ordem dos 100 metros, para tentar localizar mais uma vez destroços ou eventuais vestígios.

Para isso, os mergulhadores da Marinha utilizaram um ROV (robot subaquático) para investigar até aos 100 metros do fundo. O sonar do ROV foi utilizado de modo a efetuar uma busca num raio de 200 metros, não tendo sido detetado nenhum objeto quer a nível visual quer a nível de sonar. Toda a área circundante do ilhéu foi vistoriado com recurso ao ROV e mergulhadores.

Decorreram ainda buscas à superfície pelo navio patrulha “Zaire” e com drones operados por fuzileiros da Marinha portuguesa, bem como buscas em profundidade pela equipa de 6 mergulhadores portugueses e mais 2 da Guarda-costeira de São Tomé e Príncipe.

Nesta operação complexa de busca e salvamento  marítimo, a Marinha portuguesa empenhou o navio patrulha “Zaire” , que se encontra em missão de cooperação de longa duração na região há mais de um ano e que já opera com guarnição conjunta com militares da Guarda Costeira de São Tomé e Príncipe, bem como 6 mergulhadores e 2 fuzileiros que viajaram de Portugal para apoiar a missão em curso , e o Centro de Coordenação de Busca e Salvamento Marítimo de Lisboa, que prestou apoio contínuo à Guarda Costeira de São Tomé.

Fim das buscas em S. Tomé e Príncipe2 - 3021
Fim das buscas em S. Tomé e Príncipe3 - 3022
Fim das buscas em S. Tomé e Príncipe4 - 3023
Fim das buscas em S. Tomé e Príncipe5 - 3024
Fim das buscas em S. Tomé e Príncipe6 - 3025
Fim das buscas em S. Tomé e Príncipe7 - 3026
Fim das buscas em S. Tomé e Príncipe8 - 3027

Top